Parque Eólico de Osório/RS


Ontem tive a oportunidade de fotografar em um dos locais mais desejados por mim há algum tempo, que é o Parque Eólico de Osório, no litoral do RS. Para fotografar nem é preciso entrar no Parque, pois existe um paradouro junto a uma das estradas que atravessam a região, com uma fileira de cataventos bastante próxima. Além disso, vários outros pontos na região são bons para fotografar, pois o Parque é muito grande, e para ter acesso interno, é preciso autorização, que é dada só a grupos universitários ou escolares. Para quem passa de carro por ali, não é problema encontrar grupos de cataventos, eles estão por toda a parte.

Para as fotos abaixo, eu usei um filtro polarizador circular, para enfatizar a cor do céu (veja artigo sobre esses filtros aqui), um tripé, para algumas fotos de longa exposição, e, para não ‘estourar’ essas últimas durante um dia de sol, um filtro de densidade neutra (leia também sobre eles aqui).

Nikon D5100, 55mm, f/4.5, 1/1250, iso 100

Nikon D5100, 55mm, f/4.5, 1/1250, iso 100

Essa foto foi feita no paradouro que citei antes, e dá uma idéia da proximidade do primeiro catavento do local, com uma distância focal de apenas 55mm, o conjunto de pás não entrou todo no quadro.

Nikon D5100, 55mm, f/4.5, 1/1250, iso 100

Nikon D5100, 55mm, f/4.5, 1/1250, iso 100

Acima, outra foto da mesma posição, apontando agora para a linha de cataventos próxima.

Nikon D5100, 18mm, f/9, 1/200, iso 100

Nikon D5100, 18mm, f/9, 1/200, iso 100

Essa é uma das melhores fotos, na minha opinião; com o filtro polarizador e uma ajuda do Lightroom©, o céu ficou num tom bastante dramático, e o ângulo da foto valorizou a dimensão dos cataventos, e as nuvens altas ajudaram a dar mais interesse ao céu. Aqui usei uma abertura menor (f/9), para manter a profundidade de campo maior. Nessa foto, ainda, devido à pequena distância focal (18mm), e à proximidade do horizonte até a borda, ocorreu muita distorção, comum nesses casos; o que se via na foto sem edição era o horizonte se entortando para dentro, próximo das laterais. Para corrigir isso, usei o Lightroom©, na área ‘Develop’, ‘Lens Corrections’.

Nikon D5100, 55mm, f/9, 1/250, iso 100

Nikon D5100, 55mm, f/9, 1/250, iso 100

A foto acima é semelhante à anterior, mas aqui usei uma distância focal maior, o que ‘deixa’ os cataventos mais próximos uns dos outros. Com essa distância focal não ocorreu a distorção da foto anterior.

Nikon D5100, 18mm, f/14, 3s, iso 100

Nikon D5100, 18mm, f/14, 3s, iso 100

Acima, uma exposição de 3 segundos, usando tripé e filtro de densidade neutra. Como as hélices se moviam lentamente, deixei o tempo de exposição bem alto, mas poderia ter sido um pouco menos. O resultado não ficou bom como eu queria, mas vale o registro.

Outro ponto a destacar neste artigo é a orientação das fotos. Como o assunto era alto, a orientação retrato (vertical) valoriza melhor a imagem. Fotografias em formato paisagem (horizontal) deixariam os cataventos pequenos, e com muitas áreas vazias na foto.

Pretendo voltar lá em breve, com mais tempo, para mais fotos.

Abraços, Ernani Kern.

Deixe uma resposta